Bem-estar

“Brain fog”: saiba o que a falta de concentração e o cansaço mental podem ter a ver com a sua alimentação

Publicado em:

19/7/2023

Atualizado em:
19/7/2023
 “Brain fog”: saiba o que a falta de concentração e o cansaço mental podem ter a ver com a sua alimentação

O termo "brain fog" (que poderia ser traduzido como uma “névoa mental”) é usado para descrever sintomas como falta de concentração, clareza de raciocínio, perda de memória e sensação de cansaço mental. Vários fatores podem contribuir para o “brain fog”, incluindo a falta de sono ou exercício, depressão, mudanças hormonais, medicamentos e má saúde metabólica, decorrente de uma alimentação inadequada.

Você já teve dias em que sentiu a cabeça atordoada ou um pouco confusa ? Todos nós já passamos por isso - digamos, depois de beber álcool demais ou ter uma noite terrível de sono. Se você está sentindo que te falta claridade mental e não consegue identificar uma causa provável, pode ser que você esteja sofrendo do que é comumente chamado de “brain fog” (que pode ser traduzido como “névoa mental”) e a má saúde metabólica pode ser parte do problema.

Pesquisas mostram que a disfunção metabólica e um comportamento anormal da glicemia afetam a cognição e podem até mesmo modificar a anatomia do cérebro, incluindo áreas-chave que controlam a memória, a atenção e o pensamento, alterações bastante comuns em pacientes com diabetes, por exemplo. 

No entanto, hoje há indícios de que grandes oscilações no níveis de açúcar no sangue - mesmo em pessoas sem diabetes - frequentemente estão associados a sintomas como lapsos de memória, falta de atenção, baixa produtividade e dificuldade em pensar claramente - reclamações comuns que se enquadram na categoria de “brain fog”."

O que é o “Brain Fog”? 

Embora não seja exatamente um diagnóstico médico e nem seja totalmente compreendido, muitos profissionais usam o termo "brain fog" quando ouvem pacientes reclamando de distração ou de não se sentirem tão alertas quanto o habitual. 

O “brain fog” pode ser um precursor de problemas cerebrais mais graves ou um sinal precoce de neurodegeneração, e é subdiagnosticado tanto por profissionais de saúde quanto por pacientes, que muitas vezes pensam que os sintomas podem ser apenas sinais de cansaço ou envelhecimento. 

Em outras palavras, o “brain fog” pode ser uma condição temporária causada por algo agudo, como falta de sono ou medicamentos, ou pode ser o início de um declínio cognitivo mais sério, decorrente da presença de outros agressores crônicos, incluindo um estilo de vida não saudável e uma alimentação desbalanceada. 

Como o “brain fog” se manifesta

O “brain fog”  pode se manifestar na vida das pessoas de várias maneiras: 

- Perda de clareza mental ou fadiga mental - como se você não estivesse totalmente presente - especialmente à medida que o dia avança. 

- Baixa energia ou fadiga, como se estivesse  andando em câmera lenta. 

- Dificuldade em se exercitar ou fadiga após o exercício. 

- Baixa resposta à cafeína como estimulante, fazendo com que você consuma mais do que o habitual.

- Dificuldade em priorizar, gerenciar tarefas ou fazer várias coisas ao mesmo tempo, ou concluir listas de afazeres, incluindo problemas com números.

-  Pensamento lento ou velocidade de processamento mental reduzida, ou nebulosidade no processo de pensamento, como se seus pensamentos estivessem dispersos ou confusos. 

- Problemas com fluência verbal, como se as palavras estivessem em sua mente, mas você não consegue alcançá-las.

- Irritabilidade, instabilidade de humor ou leve depressão. 

- Baixa motivação ou sensação de desesperança, ansiedade, medo ou confusão.

-  Esquecimento e dificuldade em reter informações.

-  Agravamento dos sinais de “brain fog” quando você é submetido ao estresse de forma crônica, com evolução para o que alguns denominam “demência do estresse”. 

Um metabolismo saudável pode evitar o declínio cognitivo?

Pesquisas recentes sugerem que o Alzheimer e a demência estão ligados ao processamento de insulina e glicose no cérebro, porém mesmo pessoas mais jovens ou sem o quadro de demência podem experimentar sintomas de “brain fog” que estão diretamente conectados a uma alimentação ruim e estilo de vida não saudável. 

A glicose desempenha um papel essencial na função diária do seu cérebro e tem efeitos de longo prazo na saúde cognitiva. O cérebro consome cerca de 20% da glicose do corpo para sustentar atividades de alta energia envolvidas na cognição e na regulação de todos os processos do corpo, sendo que a barreira hematoencefálica, que controla o fluxo de nutrientes para dentro e para fora do cérebro, é projetada para absorver a glicose por meio de um transportador de glicose, a isoforma GluT1. 

A GluT1 permite a absorção constante de glicose, mesmo quando os níveis de açúcar no corpo estão baixos. Como o cérebro não pode sintetizar e armazenar energia da mesma forma que órgãos como o fígado ou os músculos, a ingestão de alimentos é sua principal fonte de energia, isso faz com que seu cérebro deixe de funcionar em sua plenitude caso você não se alimente bem. 

 Embora a glicose seja vital para a função cerebral, níveis excessivos de glicose no sangue podem ser problemáticos. Pesquisas demonstram que a hiperglicemia induzida em laboratório leva a uma diminuição na capacidade das células cerebrais de absorver glicose (embora os autores do estudo observem que essa premissa é "controversa").Isso porque quando  os níveis de glicose no sangue estão altos, o nível de GluT1 diminui, reduzindo assim a absorção.Esse fenômeno pode ter efeitos agudos e crônicos, incluindo diminuição da produção de energia no cérebro, o que pode levar ao “brain fog” imediato , e aumento do estresse oxidativo, que contribui ao longo do tempo para danos ou morte celular e eventual declínio cognitivo. Ainda é desconhecido por que a hiperglicemia diminui a GluT1 e quais são as consequências dessa desregulação a longo prazo. 

A glicose também pode afetar partes críticas da anatomia do cérebro. Por exemplo, a intolerância à glicose está associada à redução do hipocampo em pessoas sem diabetes. Mudanças no hipocampo, estrutura responsável pela regulação emocional e consolidação da memória, podem levar a deficiências na memória episódica, uma característica comum do “brain fog”l. 

Os efeitos cognitivos da má saúde metabólica têm sido observados em diversos estudos em pessoas com e sem diabetes. Aqueles pacientes com evidências de resistência à insulina, mas ainda não diagnosticados com diabetes, tiveram pior desempenho em testes de função cognitiva, de acordo com um estudo de 2009 que analisou o uso de habilidades cognitivas de alto nível para coordenar comportamento e recursos a fim de atingir um objetivo.

Alimentação, microbiota intestinal e eixo intestino-cérebro

O corpo humano abriga uma enorme quantidade e diversidade de bactérias  que vivem no intestino e desempenham diversas funções além de auxiliar na digestão, cujo conjunto é frequentemente denominado como microbiota intestinal. A perturbação dessa microbiota(também conhecida como disbiose) no intestino pode causar problemas cognitivos. 

Isso ocorre por causa de algo chamado eixo intestino-cérebro. Esse eixo pode ser entendido como uma via de mão dupla entre os sistemas nervoso central e intestinal, que conecta os centros emocionais e cognitivos do cérebro às funções intestinais periféricas. 

Quando a microbiota intestinal está "desregulada", isso pode influenciar negativamente essa via de comunicação. Fatores que contribuem para a disbiose intestinal incluem escolhas alimentares inadequadas, algumas doenças, uso recente de antibióticos e mesmo o estresse físico ou psicológico. 

Uma alimentação balanceada, centrada no consumo de alimentos in natura ou minimamente processados, evitando produtos ultraprocessados, excesso de carboidrato livre e açúcares, bem como adequando as quantidades de fibras e proteínas ao longo do dia tem efeitos benéficos na cognição como um todo. Alimentos ricos em gorduras poli-insaturadas e ômega 3 também tem um potencial antioxidante e anti-inflamatório que colaboram para uma melhor saúde metabólica. 

Fontes:

Ayonrinde OA. 'Brain fag': a syndrome associated with 'overstudy' and mental exhaustion in 19th century Britain. Int Rev Psychiatry. 2020 Aug-Sep;32(5-6):520-535. doi: 10.1080/09540261.2020.1775428. Epub 2020 Jun 26. PMID: 32589474.

H. Bruehl, V. Sweat, J. Hassenstab, V. Polyakov & A. Convit (2010) Cognitive impairment in nondiabetic middle-aged and older adults is associated with insulin resistance, Journal of Clinical and Experimental Neuropsychology, 32:5, 487-493.

Li G, Luo Y, Zhang Z, Xu Y, Jiao W, Jiang Y, Huang S, Wang C. Effects of Mental Fatigue on Small-World Brain Functional Network Organization. Neural Plast. 2019 Dec 6;2019:1716074. doi: 10.1155/2019/1716074. PMID: 31885535; PMCID: PMC6918937. 

Aqui na Liti, você encontra uma equipe médica multidisciplinar preparada para te orientar a mudar seu estilo de vida. Unimos o melhor da ciência com análise constante de dados e profissionais verdadeiramente dedicados para que você seja cada dia melhor.

_________________________________

Você no centro: experimente sem custo e conheça sua experiência na Liti. https://litisaude.co/iniciarexperiencia

A medicina de precisão da Liti te dá superpoderes para que você seja cada dia melhor.

ACOMPANHE NOSSAS REDES:

Instagram: https://litisaude.co/Instagram

TikTok: https://litisaude.co/TikTok

LinkedIn: https://litisaude.co/LinkedIn

Dificuldade em perder peso, cansaço excessivo, falta de disposição?
Conheça a experiência LitiHomem-preparando-uma-salada
Quer saber mais sobre o tema:
Bem-estar
?
Newsletter Assuntos em Alta
Mulher-abrindo-liti-box
Seu copiloto para um novo estilo de vida
Conte com um cuidado contínuo para perder peso e viver com saúde.
Conheça a Liti
Descubra o plano para você
logo-spotifylogo-instagramlogo-youtubelogo-linkedin
Logo-liti
CNPJ: 41.932.733/0001-41
descubra o plano para você